Política

É necessário “desesquerdizar” o Brasil

29 de maio de 2016

Leia em 2 minutos

Calma! Não estou dizendo que devemos exterminar os esquerdistas do país. De forma alguma! Não sou adepto dos métodos de Stálin. Ocorre que no Brasil o debate político tende a esquerda a tal ponto que há quem acredite que o PSDB é de direita, que o governo FHC foi neoliberal, e que PSOL, PSTU e congêneres não são extrema esquerda. Tem gente que acha que defender o liberalismo é defender militarismo e que capitalismo de estado não é esquerdismo.

Antonio Gramsci e Milton Friedman

Antonio Gramsci e Milton Friedman

Precisamos “desesquerdizar” o país, ou seja, temos de trazer o eixo da discussão para o lugar correto nomeando o pensamento por aquilo que é na realidade. Por exemplo, a esquerda no Brasil coloca muitos partidos sob o rótulo de “direita”, quando há apenas três partidos ideologicamente assim: PSC – direita conservadora; NOVO – direita, com viés liberal – surgiu recentemente; PSL – direita liberal, mas fez essa guinada apenas recentemente – estão num esforço de refundação do partido.

Ao misturar conceitos e ideologias, a esquerda dá o seu viés ao debate. Assim, qualquer partido que tenha mesmo uma leve tendência ao centro (caso do PSDB) é desprestigiado ou rotulado como de “direita”, ainda que não o seja de verdade. À esquerda interessa tornar “politicamente incorreto” defender bandeiras que se afastem de sua ideologia socialista – nesse sentido, os social-democratas são mal vistos e os liberais são os demônios em pessoa.

À esquerda interessa que qualquer crítica seja deslegitimada já no seu nascedouro. Como diz o teólogo Franklin Ferreira, nesse contexto toda a crítica a ideologia partidária só é aceita se vier de seus seguidores ou se for colocado no mesmo barco seus detratores, com ares de imparcialidade, mostrando que “todo mundo é igual”, “todos são assim”, e dessa forma, ao mesmo tempo “o pau que dá em Chico, dá em Francisco”. Nesse sentido, com essa influência sobre o discurso, consequentemente sobre o inconsciente coletivo, a esquerda só pode perder prestígio se os outros também perderem.

Muitas pessoas bem-intencionadas caíram nessa armadilha do Marxismo Cultural. Gramsci estaria orgulhoso do espectro político no Brasil de hoje.

Recomendo a leitura do livro Contra a idolatria do Estado, de Franklin Ferreira, Edições Vida Nova.

Veja também

Seja o primeiro a comentar

Comente aqui