Política

Qual seria o resultado para Presidente do Brasil se adotássemos o mesmo sistema dos EUA em 2014?

13 de novembro de 2016

Leia em 2 minute

Mapa das Eleições nos EUA em 2016 Vermelho: Trump; Azul: Hillary.

Mapa das Eleições nos EUA em 2016
Vermelho: Trump; Azul: Hillary.

Fiquei curioso para saber qual seria o resultado da eleição brasileira para Presidente da República do Brasil em 2014 se adotássemos um sistema de votação igual ao dos Estados Unidos. Antes de ver o resultado na tabela abaixo, recomendo que veja o vídeo abaixo para entender como funciona o sistema eleitoral americano e o porquê de ele ter sido desenhado assim pelos “pais fundadores”.

Na tabela abaixo, dividimos a quantidade de “delegados brasileiros” de acordo com a população de cada uma das 27 unidades federativas conforme o Censo de 2010 e usamos as seguintes premissas: 1) o número total deve ser o mesmo da soma de senadores e deputados federais – 594; 2) mínimo de três delegados por UF; 3) mesmo sistema americano onde o vencedor em um estado leva o total dos delegados. Ganha a eleição aquele candidato que obter 50% dos delegados + 1. Na nossa simulação, seria necessário 298. Segue abaixo a tabela com a simulação.

Simulação Colégio Eleitoral Brasil

Conclusão: se adotássemos o mesmo sistema americano, Dilma se reelegeria em 2014.

Nos Estados Unidos não há segundo turno. “Caso nenhum dos candidatos receba o mínimo de 270 votos do Colégio Eleitoral, a Câmara dos Representantes vota para escolher o vencedor. O Senado escolhe o vice-presidente”, em Nove perguntas para entender as eleições nos EUA. Portanto, na nossa simulação, se Aécio, Dilma e Marina dividissem os votos de tal forma que nenhum dos três chegasse a 298 delegados, então a Câmara de Deputados escolheria o Presidente entre os diversos candidatos e o Senado escolheria o Vice-Presidente.

Fontes:

Por que nos EUA o voto é indireto e como funciona o Colégio Eleitoral?

População Brasileira – IBGE

Resultado das eleições no Brasil em 2014

Mapa da apuração nos EUA

Veja também

Seja o primeiro a comentar

Comente aqui