Cristianismo

Considerações sobre Apostasia

9 de julho de 2017

Leia em 3 minutos

Pedetre caminhando - apostasiaA apostasia é um movimento particularmente cristão. Um descrente não é um apóstata, pois nunca foi um cristão. A apostasia tampouco se dá porque a pessoa não foi bem recebida na igreja – ainda que esse seja o motivo alegado. Um apóstata não “sai da igreja” nem “muda de denominação religiosa”. Ele sai do evangelho, ele abandona a Videira verdadeira.

Esse ponto é crucial: não podemos confundir mudança de “filiação igrejeira” com apostasia. Ainda que possa haver alguma interseção, não são sinônimos.

“Quando um espírito imundo sai de um homem, passa por lugares áridos procurando descanso e, não o encontrando, diz: ‘Voltarei para a casa de onde saí’. Quando chega, encontra a casa varrida e em ordem. Então vai e traz outros sete espíritos piores do que ele, e entrando passam a viver ali. E o estado final daquele homem torna-se pior do que o primeiro”. Lucas 11:24-26

Mesmo a casa estando aparentemente em ordem, o quadro real é que o apóstata abandona Cristo (veja uma lista de motivos em Lc 8:4-15). Quem sai do evangelho costuma passar pela experiência destacada por Cristo nos versos de Lc 11:24-26. Seu estado final, por vezes, é mais apegado ao pecado e às coisas deste mundo do que era antes de ouvir a Palavra.

“Se, tendo escapado das contaminações do mundo por meio do conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, encontram-se novamente nelas enredados e por elas dominados, estão em pior estado do que no princípio. Teria sido melhor que não tivessem conhecido o caminho da justiça, do que, depois de o terem conhecido, voltarem as costas para o santo mandamento que lhes foi transmitido. Confirma-se neles que é verdadeiro o provérbio: ‘O cão voltou ao seu vômito’ e ainda: ‘A porca lavada voltou a revolver-se na lama'”. 2 Pedro 2:20-22

Como reagir nessa situação? Como humanos, não conhecemos o coração de ninguém. Portanto, não podemos considerar nenhum caso irremediável. Apenas Deus o sabe. Por isso, sugiro: ore e, oportunamente, pregue. Não condene, aja com mansidão, amor e carinho. Lembre-se que antes de o pecado de alguém (o meu, o seu ou de qualquer outro) ofender o ser humano, ele ofende a Deus. É Ele quem sabe de tudo e a quem cabe aplicar a justiça como bem lhe aprouver.

Deus nos ajude.

Imagem: Help writers become authors

Veja também

Seja o primeiro a comentar

Comente aqui